04 maio, 2008

A minha Mãe

Hoje comemora-se o dia da Mãe.
Para muita gente este dia possui um significado muito especial, onde se torna imperioso demonstrar as nossas mães o quanto elas são importantes para a nossa vida.
Seja com um simples bouquet de flores, um cartão colorido ou um simples beijo...tudo é eficaz quando sentimos apenas a intenção de demonstrar todo o nosso afecto.

Para mim este é um dia em que essencialmente se revela uma grande mensagem de amor...mas que infelizmente faz-me sentir sempre a necessidade de ficar só.

Há 1 ano atrás, este dia levou-me a fazer um desabafo.
Um desabafo que guardei longos e intermináveis anos dentro de mim e que precisava de ser lançado contra o vento.
Um desabafo que me queimava a alma...que me consumia por dentro.
Mas se na altura deixei passar alguns dias antes de o fazer para que de certa forma ele conseguisse passar despercebido (e quase consegui se não fosse a minha querida Ni!), hoje sinto o desejo de o partilhar com todos os meus fiéis amigos internautas e todos aqueles que por uma razão ou outra resolvam visitar-me um dia.

Faço-o também porque este é no fim de contas o meu blogue pessoal, dando-me formas de poder guardar este desabafo para memória futura.

Aviso-vos que foi escrito com todo o coração e sob o efeito de muita emoção.
Espero que gostem...



Até hoje, nunca falei sobre a minha mãe.
E se não o fiz, possuía bons motivos para não o fazer.
Custa-me imenso falar sobre a minha mãe!
É se calhar a única mágoa que permanece no meu peito...no meu coração...
Vocês não sabem, mas sei de antecedência que este texto não me vai sair nada bem. Vai-me custar imenso escrevê-lo e as palavras vão sair como que as prestações...
Quando falo da minha mãe, a emoção corta-me as palavras.

Perdi a minha mãe muito cedo...Demasiado cedo...
Perdi a minha mãe quando mal tinha saído da adolescência e durante vários anos entrei num estado de profunda hibernação!
Como os ursos..
Devo tudo a minha mãe...Tudo o que fui...Tudo o que sou...
E tudo o que serei mais tarde...

A minha mãe salvou-me vezes sem conta...
Até com a sua morte me salvou...porque fez-me meditar e olhar para trás...e ao fazê-lo, deu mais sentido a minha vida!

A melhor homenagem que lhe posso dar, é falar sobre a sua vida..
Foi uma mulher que lutou toda a vida para nos dar o que ela nunca tive..
Levou-nos para a França ás escondidas do regime Salazarista, onde crescemos vigorosos e em segurança, para não passarmos a mesma miséria que ela teve de suportar.
A minha mãe só viveu para nós e não conheceu mais nada senão o trabalho.
Suportou os problemas de álcool do meu pai..
Suportou os maus-tratos..
Suportou a solidão...
Suportou o cansaço...
Suportou o racismo de uma terra que não era a nossa...
Suportou a tristeza de viver longe da sua família materna..
Suportou as saudades...e suportou as recordações de uma infância que lhe foi negada a partir dos 8 anos...
Mas eu nunca suportei as lágrimas dela..
E ainda hoje, apesar de ela já não estar aqui...continuo a ouvir as suas lágrimas...

........

Quis o destino que a minha mãe sofresse uma operação cirúrgica na coluna para não morrer de forma prematura...Tinha ela apenas 40 anos...
Nessa operação as possibilidades de sobreviver eram de 60/40...
60 para continuar viva...40 para morrer..
Mas a minha mãe não temeu e lá foi..
Por amor...

No dia da sua operação, outras 2 pessoas estavam no seu quarto e iam submeter-se a mesma operação do que ela...
Quis então o destino que elas fossem para o bloco operatório antes da minha mãe!
E morreram as duas...
A minha mãe soube disso...E embora temesse um pouco dessa vez, fechou os olhos e lá foi...
Mas uma vez por amor...
E a operação correu bem...O destino tinha-lhe dado finalmente um sorriso e minha mãe pude voltar para junto dos seus...
...mas não se conseguia mexer.

Tinha-lhe sido aplicado 5 anestesias gerais e parecia um autêntico bicho...
Mas os seus olhos reluziam...
Como eram lindos os olhos da minha mãe!...
Verdes como a cor da sua esperança...grandes como o tamanho da sua fé.
E vi neles a felicidade de poder nos ver e abraçar...
Minha mãe era assim...
A felicidade dela era ver-nos felizes...

E foi assim que permaneceu em casa...
Sem conseguir se mexer...deslocar...
Mexia apenas um pouco as mãos e durante os cinco anos que se seguiram foi essa a vida que ela conheceu...
Eu estudava e trabalhava...
As minhas irmãs estudavam e trabalhavam..
E o meu pai quis ficar em França no seu trabalho de sempre..

E minha mãe assim permaneceu...
Sozinha!

E foi essa solidão que a levou a refugiar-se no álcool..
Era o seu refúgio...o seu meio de esquecer e aguentar as dores...
Como poderíamos lhe negar fosse o que fosse?
Como poderíamos lhe negar o seu único companheiro de solidão?
E não lhe negamos...
Também nós por amor...

Depois a minha mãe acamou por causa de problemas originados pelo excesso de consumo de álcool..
Minhas irmãs estavam todas em França, excepto a mais nova...
Mas como ela ainda estudava e nem sempre podia estar presente para ajudar...
Coube-me em parte a tarefa de mudar as fraldas da minha mãe...
A primeira vez cortou-me o coração!
Mas não deixei que a minha mãe se apercebesse disso!
Ela merecia muito mais do que ver compaixão nos meus olhos!
Contive as lágrimas o melhor que pude e ganhei coragem onde não pensei encontra-la...
Por amor...

Mas o destino quis ser-lhe mais uma vez cruel!
Estava totalmente curada da sua operação na coluna, mas o álcool destruiu-a por completo.
Ganhou uma cirrose no fígado...
E mais uma vez, vi a minha mãe sofrer..
E mais uma vez ouvi as lágrimas da minha mãe...
Deitada na maca de um hospital, vi minha mãe vomitar sangue....
E dessa vez, não consegui aguentar!
Procurei a casa de banho do Hospital e chorei!
Chorei...chorei..chorei...

Depois voltei para junto dela e sorri....e ela sorriu para mim...

Até que ela pediu-me para ir embora..
E eu compreendi...
Ela sentia as suas dores que voltavam e não queria que eu a visse sofrer..
Por amor...
E nesse instante desejei..
Desejei que esse sofrimento acabasse..
Desejei que a minha mãe fechasse os olhos e não acordasse mais...
Para não a ouvir mais sofrer...
Para não ver mais lágrimas no seu lindo rosto...
Porque sofria também com ela..
Por amor...

E minha mãe morreu...
E eu quase morri com ela...

A mágoa que guardo dentro de mim é ter visto a minha mãe partir desta forma tão cruel!
Ela não merecia este fim!!
Sofreu toda a vida por nós e merecia acabar a vida doutra forma!
Merecia ser feliz!!!!!!
E ver-nos a todos felizes junto dela!!
Ou que pelo menos ela tivesse a possibilidade de sentir...
Que o amor que ela sempre teve por nós...
Também tinha reciprocidade da nossa parte...

Esta é a história da minha mãe.
E nem sei como consegui escrevê-la..
Se me fosse possível hoje falar com ela ou se estivesse seguro de que ela me pudesse ouvir, só gostaria de lhe poder dizer algo....

Obrigado Mãe!
Onde quer que estejas...sei que estás feliz!

4 comentários:

  1. Pensador, tive o privilégio de partilhar contigo o 1º desabafo.

    Estou orgulhosa por conseguires dar mais este passo para enfrentares os teus fantasmas.

    Estou orgulhosa por ser tua amiga.

    Não preciso de dizer mais nada.

    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Pensador;
    também eu, e apesar de não te conhecer pessoalmente, me sinto orgulhosa de ti!
    Abraço.

    ResponderEliminar
  3. Tinha que vir ler...mas o que tenho a dizer-te vai estar na carta.

    Bjs

    ResponderEliminar

A frase mais estúpida que poderá ser dita aqui é: "Para Pensador pensas pouco..."
A mais inteligente é: "És tão lindo Pensador..."