22 julho, 2008

Os pequenos sacrifícios de amor

Enquanto uns tantos ou quantos estarolas se lambuzavam desenfreados e desalmadamente com fartos quilos de caviar e largas toneladas de lagosta num qualquer restaurante duvidoso de Leiria, tendo inclusive e segundo se consta no boletim higiênico de todos os WC's bem frequentados do país, o ambiente descambado de tal forma (Com a ajuda de alguns pipos de rum, vodka e também ao que nos pareceu ser umas cuecas subversivas (??)..) que se transformou rapidamente e sem sinais de ter havido muita resistência num descarado e reprovável nicho de libertinos, amantes confessos de sexo com nabiças e tudo quanto seja frivolidade erótica leguminosa , culminando por fim na mais colossal orgia sexual culinária que a história da humanidade conseguiu até hoje guardar memória...

...eu...por minha vez...como defensor intransigente (que sou carago!..) do chamado "sexo praticado apenas para fins de reprodução" (Também conhecido por "O sexo feito em casa" ou "Sexo costumeiro com a esposa"..) que pouca gente deve conhecer visto não estar muito dentro da moda falar-se dele e ser uma variante sexual - lendariamente - quase só praticada pela classe política (Que o possa dizer a Manuela Ferreira Leite...) e algumas figuras do Jet-Set, tive que me contentar em passar mais uma emocionante e inolvidável tarde em família.

No menu do dia, um prato simplesmente divinal: "Festinha do fim de ano das crianças".
Uma delicia minha gente!...Um "Chef d'oeuvre maison" de sabor tão refinado que até as minhas pálpebras começaram logo a inflamar tal o exagero de lágrimas que os meus olhos deixaram cair em cascata em resultado da minha desmesurada emoção..

- Aiii... minha santa Midões-fica-lá-para-os-lados-de-Braga que isto vai ser cá um dia!!

E foi!
Mas verdade também seja dita, até que nem foi mau de todo e já passei por momentos bem piores na minha vida.
Não me olhem já com tanto enfado porque tudo o que faço na vida tem uma boa razão de ser e manda o livro da boa-etiqueta (Sem ser aquelas auto-adesivas...) que se deve ouvir todas as explicações do condenado antes de se validar qualquer julgamento e que seja emitido qualquer certificado de conclusão (Sei disso porque parece-me fui eu que escrevi esse livro!).
Não é que desgoste de ver o meu filho mais velho a pular alegramente sobre o palco, cantando com grande afinco, talvez um pouco contagiado pela boa-disposição da plateia mas certamente que muito orgulhoso por saber que os seus pais estavam lá!...que estávamos a assistir a tudo e que também partilhávamos esse momento de felicidade que era essencialmente dele mas que sem nós não seria tão mágico!
Não meus amigos...o meu fastio deve-se sobretudo ao facto de ter que ser obrigado a suportar a terrível azáfama que só uma ou duas centenas de mulheres agrupadas num pequeno espaço com pouco mais de 200 metros quadrados conseguem ter a capacidade de criar!!!!!!!!
(Pronto...agora já podem olhar-me de esguelha...hehehe...)

Aliás, não sou só eu, com a minha mulher passa-se exactamente o mesmo e já por isso é que não são raras as vezes que chego mesmo a duvidar que ela seja de facto mulher e sinto, inclusive, a tentação de colocar a minha mão na selva que rodeia a "Caverna do Ali Pensador" (Ali Pensador pois claro!...o Ali Babá que nem sonhe em meter ali o dedo!!) apenas para me certificar que aquilo continua a ser a mais bela das planícies e que apesar do calor ainda não ocorreu o trágico accidente de crescer por lá bananas...

É um calvário minha gente...um autêntico calvário...
É fofocas, mexericos, beatices, trentinices, cretinices, palermices, idiotices, ordinarices, trambolhices, sacanices, bizarrias, coscuvilhices, raivices, mau-olhados, maldizeres, doenças, guerras, conspirações, enganos, traições, invejas, ressabiamentos, ódios...e patati e patatá....HEEEEEELLLLLLP!!!!!!!!!!!!!!!....HEEEEEEEELLLLLLP MEEEEE!!!!!!

........(suspiros).......

Bom...
Mas também que podemos nós fazer?
Adorámos quando vemos o nosso filho a sorrir e esse sorriso faz com que todos os nossos sacrifícios pareçam menores.


Quando nos sacrificámos por amor, só estamos a glorificar a nossa própria vida....

(Ps: Nesse dia também tive a possibilidade de presenciar um escândalo, mas isso já será matéria para outro post. Este é apenas dedicado ao sorriso do meu filho...)

10 comentários:

  1. Confesso que só não entendi o preâmbulo do post.

    Nota - Não sei que mulheres é que conheces mas que tens azar, lá isso tens.

    Ou isso, ou tens o que mereces.

    Só conheces mulheres que apenas fazem "chinfrim", que falam da vida alheia e que usam a dor de cabeça como desculpa.

    A sério, mais um bocadinho e começo a ter pena de ti.

    :-)

    ResponderEliminar
  2. Ni,É possivel que tenhas alguma razão.
    Olhando para a mulher que tenho ao meu lado para partilhar as aventuras e desventuras da vida comigo, se calhar...tenho mesmo o que mereço.
    Obrigado por me relembrares disso.
    ;-)

    O meu azar não se preende nas mulheres que conheço porque de todas elas nenhuma estava lá presente nesse dia.
    Bem...pelo menos eu não consegui identificar nenhuma delas.
    E ai é que está o segredo Ni, se eu fosse conhecido de metade daquela mulherada estou seguro que pelo menos as que estavam ao meu redor iam poupar-me a ouvir tanta intriga social...

    E não, não conheço apenas mulheres que fazem "chinfrim" e que falam da vida alheia....também te conheço a ti!

    ;-)

    Bird, acaso não tenhas reparado mas "fofo" é quase o meu nome do meio...hehehe

    ResponderEliminar
  3. Essa do "sexo apenas para efeitos de reprodução"...lembra-me uma senhora muito feia, que acho é a nova presidente de um partido qualquer.
    Por mim tudo bem, desde que se "reproduza muito".
    Quanto à caracterização das mulheres dessa festa, penso que deve ter ficado num lugar destinado ao clero.
    Daí a sua palavra "calvário".
    Sobre a festinha das crianças, já escrevi sobre isso no meu blog, e acredite que você deve ter tido mais sorte do que eu...hehehehehe

    ResponderEliminar
  4. Pensador....confessa lá...isto foi para ganhares pontos na comunidade feminina que te lê, não é?!?! ;)

    ResponderEliminar
  5. Não Bird, vou a Romofo....hehehehe

    :-)

    ResponderEliminar
  6. Pessoalmente detesto as festas porque os pais não respeitam as crianças e porque é um trabalhão ensaiar qualquer coisa para depois actuar no meio do barulho durante 5/10 minutos e sermos obrigadas a ver a festa até ao fim e aturar mães e pais sempre de maquina fotografica e camara de video na mão. Ufaaaa...coisas de uma professora que estava mesmo a precisar de férias.lol.

    ResponderEliminar
  7. Silvia, seja bem vinda no meu pequeno estaminé.
    Quando os pais permanecem na festa com a camara de filmar ou a maquina fotográfica menos mal...enquanto estão a filmar não fazem barulho....chocante é ver o que eu cheguei a ver,que é: Chamar individualmente os alunos para o palco para fazer a entrega de uns diplomas de brincadeira aos finalistas do 5º ano, de seguida chamar também os pais do referido aluno para figurar também eles na fotografia e o puto....permanecer sozinho no palco a espera que alguém apareça com uma vergonha do tamanho da china enquanto a prossefora continua a chamar em vão pelos pais umas 5 ou 6 vezes e decide-se finalmente a disfarçar a desilusão do puto fazendo o lugar deles!!!

    Vi isso acontecer 3 vezes durante a festa!(A mãe dum cheguei a vê-la na pastelaria ao lado da escola a conversar com outras 2 mulheres enquanto tomava um galãozinho....seriam as outras mães??)
    Não há dúvidas que até para se ser filho é preciso ter sorte.
    Amanhã transformam-se em vadios e os pais a chorar que nem umas madalenas arrependidas sem nunca saberem onde foi que erraram na educação que deram!

    Boa sorte Silvia e goza bem as tuas merecidas férias enquanto aquela maria chanfrada que está no governo não se lembrar de retirar o direito de férias aos professores...

    Abs

    ResponderEliminar

A frase mais estúpida que poderá ser dita aqui é: "Para Pensador pensas pouco..."
A mais inteligente é: "És tão lindo Pensador..."

Pensador vai às compras...

Sabem aquela sensação horrível que temos por vezes quando estamos na fila de um qualquer Hipermercado e estamos a modos que enervados, ...

Para recordar...