11 setembro, 2010

Em Casa que pia, a malta também pode chilrear...

Estou falido, mas ainda vai dando para comprar charutos..
Não se fala de outra coisa. Por toda a Blogosfera, nos jornais, na rádio, na Tv, cafés, trabalho, etc, a condenação de Carlos Cruz (vulgo CC) deixou de ser uma utopia de 6 anos e passou a ser assunto obrigatório em toda a Lusolândia.
O colectivo de juízes da 8.ª vara criminal de Lisboa, coordenado por Ana Peres não foi perdulário, e , numa atitude quiçá inédita em Portugal, condenou todos os réus envolvidos no processo casa pia com penas emblemáticas que oscilam entre os 7 e 18 anos de prisão. Deste leque de parasitas, apenas a D. Gertrudes Nunes teve a felicidade de ser absolvida por não terem sido preenchidos todos os requisitos que a pudessem condenar pelos crimes em causa.
Perante este panorama, seria suposto sentir-me feliz, uma vez que todos os assuntos relacionados com a pedofilia sempre despertaram em mim um nojo terrível e uma repugnância imensurável, mas não...não de todo, a verdade é que estou muito longe de me sentir assim.
Não me sinto feliz porque esta sentença que se pressupunha ser um castigo - mais do que merecido -  pelos crimes hediondos praticados por esses velhos cães sarnentos, acabou por se tornar mais um inusitado dia feliz para todos aqueles que seguem a via do crime em Portugal.

Casa de Elvas, a tal que supostamente
 nunca sofreu obras, mas que tem uma escadaria
 a cortar janelas à meio...
Sim, ouviram bem, apesar de toda esta cómica onda de protestos e da polémica instaurada logo após a leitura da sentença por causa dos acordãos que não foram disponibilizados, etc, e também do escalabroso "ar" de ofendido de todos os envolvidos neste processo, a verdade porém, é que todos eles foram imerecidamente bafejados pela sorte.
Ainda o julgamento não se tinha iniciado e já Marinho Pinto  (bastonário da Ordem dos Advogados) anunciava ao país - através dos noticiários em horário nobre - , que, fosse qual fosse o defeso do processo Casa Pia, muito dificilmente qualquer um dos acusados iria cumprir uma pena de cadeia.
«Este processo tem 200 e tal recursos que subirão com a sentença. Vão ficar não sei quantos anos para decidir esses recursos, depois ainda podem recorrer para o Supremo Tribunal ou para o Tribunal Constitucional»

«Este processo nem daqui a 20 anos vai estar concluído, este processo vai prescrever»

Ora, ora, muitos parabéns caríssima justiça portuguesa, vejo que continuas em boa forma!
Isso quer nos dizer que ao fim de 6 anos de investigação, após terem sido ouvidas mais de 900 testemunhas, 32 alegadas vítimas, 19 consultores técnicos e 18 peritos, num mega-processo com mais de 66 mil folhas organizadas em 273 volumes e 588 apensos, cujo dossiês incluem quase dois mil despachos e dois mil requerimentos...até o Carlos Silvino, o tal motorista que confessou os seus crimes e que foi contemplado com 18 anos de cadeia, não corre o risco de cumprir pena????
Chocados? eu não!. Aprendi ao longo da minha vida a nunca criar grandes expectativas sobre o funcionamento da Justiça em Portugal. Nas raras vezes que consegue ou conseguiu acertar, é/foi sempre por distracção ou ingenuidade do acusado.
Não me admira nada que o tribunal tenha revelado grande coragem ao aplicar penas tão pesadas aos acusados.
- É verdade que o nosso país não tem tradições de condenar gente famosa ou de grande estrato social, mas se tudo isto vai acabar por prescrever, que diferença pode isso fazer? Vamos lá ter mão pesada nisto e vender a imagem que somos irredutíveis no nosso trabalho.

Mas então, se ninguém vai cumprir pena de prisão, porquê tanta agitação dos acusados após a leitura da sentença?
Parece que uns vão escrever (ou já escreveram) livros com toda a verdade e os pormenores macabros deste caso, outros já estão a divulgar vídeos e prometeram revelar o nomes de outros pedófilos que não foram investigados, outros ainda vão interpor acções contra o estado pelo seu deficit funcionamento, etc...
Mas porquê? Para quê? Qual a razão/necessidade de fazer tudo isso?
Porque ninguém quer ser conhecido ou relembrado no futuro como pedófilo. A fama acompanha-nos sempre onde quer que a gente vá, e a verdade, é que, um processo que prescreve...é um processo que para além de não retirar a fama à ninguém, limpando a sua imagem, acaba por fazer crescer a conotação negativa que a mesma tem.

É fodido, não é? Felizmente que sim.
Se dizem que o Deus católico por vezes escreve direito por linhas tortas, guardo esperanças de que, ao contrário do mui influenciável povo português - que segue modas e muda de opinião como quem muda de camisa todos os dias -, esse dito Deus nunca venha a sentir simpatia por pedófilos.

4 comentários:

NI disse...

Como sempre, só poderei comentar depois de ler o acórdão.

NI disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Francisco o Pensador disse...

Bem...considerando o facto de que esse dito acórdão tem 2 mil páginas...acho que é melhor combinar-mos um encontro neste post para daqui 1 ano, afim de eu poder conhecer a tua opinião....hehehehe

:)

NI disse...

É só para dizer que já li e era mais ao menos o que esperava.

:)