30 março, 2011

Para bom entendedor...

Não raras vezes, quando entro de manhã no meu tasquinho de eleição para tomar uma deliciosa torradinha com manteiga acompanhada por uma saborosa meia de leite (pelo menos dá sempre o cheiro disso, mas já o sabor...), acabo por dar comigo a ter conversas surreais com o dono desse café. Acreditem, o tipo é uma preciosidade rara.
Para quem não conseguir ver o filme, diguemos que ele é o tipo de pessoa que raramente tem razão e odeia admiti-lo. É tão narcisista e convencido, que se torna quase impossível levar a bom termo qualquer tentativa de conversa que seja com ele.
Por causa do seu temperamento, não são também raras as vezes que acabamos os dois amuados e de costas voltadas um para o outro.
Mas ele também tem uma faceta bonita. É uma pessoa que não gosta de ficar zangado com ninguém, nem suporta sentir que alguém está zangado com ele.
É por isso que, sempre que nos zangamos, ele deixa passar algumas horas (ou dias!)  e depois acaba por tentar recompor as coisas, através de um bom temperamento, de um sorriso espontâneo, de algumas piadas engraçadas (quem diria!) e de um café (bem tirado desta vez..) que ele insiste em nos oferecer em sinal da sua boa vontade.
Vício ou fruto da sua personalidade, a verdade é que depois das "pazes" feitas, o seu discurso costuma sempre acabar numa frase que lhe é muito peculiar: "Todo o mal que te desejo é que Deus te dê muita saúde".
Ao que eu costumo responder: "E a si, o dobro da saúde que você me deseja..." :))
Ele percebe a brincadeira e ficamos por ali.

Vem isto a propósito de uma notícia que li esta manhã e que colocava em destaque uma afirmação, também ela muito peculiar, proferida pela Presidenta do Brasil, Dilma Rousseff, durante a sua visita a Portugal:

"Brasil poderá ajudar Portugal como Portugal ajudou o Brasil economicamente..." 

Oh Dilma, Dilma...que és mais diplomática do que eu, isso não é de estranhar (nem sequer difícil), mas que consigas dizer isso sem te rires nem um bocadinho, lá nisso, tenho que te tirar o chapéu. És genial.
Mas ao contrário do meu amigo tasqueiro, Portugal (a imprensa neste caso) é que parece não ter percebido a brincadeira...

4 comentários:

  1. Ela só está a aplicar o princípio da reciprocidade, também conhecido como "amor com amor se paga".

    ResponderEliminar
  2. Nina, também foi essa a ideia que retirei da afirmação da Dilma.
    O pior, é que o nosso país anda tão mal das finanças e a pedinchar tudo e todos que já nem as ironias consegue perceber.

    E as ironias do destino, então essas é melhor nem falar.. :) bjs

    ResponderEliminar
  3. Dilma, Dilma...Portugal ajudou o Brasil economicamente? Quando???

    ResponderEliminar
  4. Anónimo, tenho uma proposta para si.
    Porque não pôe essa sua cabeça a funcionar?
    Releia o post...devagar...pausadamente...sem pressas...e as vezes que for necessário até você conseguir percebê-lo.
    Vá-la, um pouco de coragem. :)

    ResponderEliminar

A frase mais estúpida que poderá ser dita aqui é: "Para Pensador pensas pouco..."
A mais inteligente é: "És tão lindo Pensador..."

Pensador vai às compras...

Sabem aquela sensação horrível que temos por vezes quando estamos na fila de um qualquer Hipermercado e estamos a modos que enervados, ...

Para recordar...