02 junho, 2008

Amy Winehouse ou a história de um cadáver ambulante

Amy Winehouse (Amy Vinho da casa?) já foi no passado uma mulher bonita, saudável e porque não dizer Sexy.
Tinha apenas algumas gordurinhas localizadas que eram perfeitamente normais para uma rapariga da sua idade.
Hoje ela tem 24 anos ...e já parece um autêntico cadáver ambulante.
Como é que alguém consegue se maltratar tanto?

No dia de abertura do Rock in rio, parece que ela compareceu com 40 minutos de atraso, quase sem voz e completamente alcoolizada para desespero dos seus fãs que vieram de todo o mundo e esgotaram completamente o parque da Bela vista.

Esta é também a história de uma mulher que se viciou de tal forma em drogas pesadas que fê-la caminhar incessantemente e a grandes passos para a sua inteira destruição.
Há quem diga que ela consome doses tão elevadas de droga que até fez o mercado de Londres inflacionar por sua causa. (A lei da oferta/procura, estão a ver?)

Muito francamente não sei o que é que o futuro reserva para esta miúda, mas se ela continuar a este ritmo, bem pode começar a escolher a cor do seu próprio caixão porque não vai conseguir aguentar mais do que 5 anos.

E algo me diz que ela já não deseja mais nada senão isso...



4 comentários:

Victor disse...

E não serão culpadas todas as pessoas que encheram o parque que só a querem ver porque ela é assim?
Não será essa gente que a faz assim? Quem seria ela sem a máquina devoradora da geração MTV? A máquina que faz o monstro e vende o monstro.
Se calhar era a mesma, ou então não.

O pensador disse...

Victor, concordo em absoluto com este teu comentário.
É inegável que a miúda tem uma boa voz mas a base do Marketing que gira a volta dela é mesmo esta figura de mulher completamente escangalhada, a arrastar-se pelos palcos e que está prestes a cair no precipicio.
Acho que todos (incluido ela) estão a contar que ela caía para o lado a qualquer momento para poder fazer dela uma espécie de martir da geração seringa.

Bird disse...

É muito deprimente mesmo!!
Um talento em autodestruição que deixa bem claro que nem sempre o dinheiro, a fama, o sucesso contribuem para a felicidade, equilíbrio, etc.

Yola castro disse...

Cada dia k passa eu gosto mais dela e sei k ela vai sair dessa. Eu nao quero nem pensar em ouvir que ela morreu de overdose.