Seguidores

30 julho, 2017

20 Anos...

Resultado de imagem para 20 anos de casamento
Imagem da Net

20 Anos. Parece tanto tempo, uma eternidade, no entanto estes anos passaram tão depressa. Demasiado, infelizmente, mas também é natural que assim seja. Quando vivemos uma coisa boa, tudo passa por nós à velocidade da luz. Confesso que no inicio não alimentava grandes expectativas sobre o casamento. Nem entrava no meu imaginário nem sequer acreditava na utilidade desse conceito. Sabia apenas que estava terrivelmente apaixonado pela minha mulher e que morria de vontade de viver ao lado dela. E essa ideia era-me suficiente. Era tão doido por ela, que não foi preciso muito esforço da sua parte para convencer-me a entrar numa igreja, com fatiota e laçarote de cor "Bordeaux", mesmo que não acreditasse nas suas fundações. Bastava-me saber que desse modo eu iria fazê-la feliz. E eu faria tudo para que assim fosse. Como é bonita a paixão e como é bonita essa vontade incessante de querermos estar permanentemente um com o outro.
Devo tudo a esta mulher, num momento muito complicado da minha vida foi ela quem soube trazer-me paz e equilíbrio. Antes dela tive um bom cardápio de namoradas todas elas bem bonecas, magras, bonitas, esbeltas, e bem abastecidas financeiramente, com as quais vivi momentos muito tórridos e cenas só permitidas a maiores de 18. Mas todas elas sofriam do mesmo defeito. Em questão de amor, atenção, prazer e afectividade, elas só gostavam de receber, eram autênticas esponjas, e pouco mais sabiam fazer para além de despir a roupa e ficar quietas para que eu pudesse fazê-las viajar até a lua. Dos meus 18 aos meus 24 anos era só isso que representava para elas. Era uma espécie de homem astronauta. Mas a minha mulher soube alterar tudo isso e preencher essa grande lacuna que tinha na minha alma. A falta de atenção e reciprocidade. Não se limitou a receber todo o amor e prazer que tinha para lhe dar e quis retribuir-me tudo isso em dobro ou pelo menos em igual medida. Com ela sentia que era amado, valorizado. Sentia-me alguém especial. E quando passamos a sentir aquela necessidade inquietante de estar perto de alguém, deixamos de ter quaisquer dúvidas sobre a importância daquela pessoa na nossa vida. A química era imensa, o diálogo era fluido e fácil, e como o tempo que podíamos passar juntos já parecia ser curto, pelo menos aos nossos olhos, o desejo de casar depressa ganhou forma. Já não receava casar, e mesmo que não acreditasse inteiramente nos seus efeitos, ainda assim tinha a noção de que o casamento trazia algumas boas vantagens. Para além daquela vantagem óbvia de termos alguém para aquecer os nossos pézinhos nas noites frias de inverno, sorria de contentamento só de saber o mundo de oportunidades que se deparava diante de mim, nomeadamente a possibilidade de realizar algumas fantasias sexuais e as habituais sessões de sexo tórrido e avassalador que poderiam ser praticadas a qualquer hora do dia, logo que houvesse clima e vontade para o efeito, sem termos que gastar dinheiro com quartos de hotéis ou ter que recorrer ao tradicional carro irrequieto dos vidros embaciados debaixo da ponte (Sim, eu sei, tive que estragar a beleza toda deste texto com graçolas sobre sexo). Assim, no dia em que casei, guardava em mim apenas apenas uma certeza. Se aquela mulher fosse capaz de me aturar durante 5 anos seguidos, eu sabia que iria amá-la para toda a vida.
O nosso casamento começou e decorreu como qualquer bom casamento que se preze. No início foram muitos abraços, beijinhos, sexo, partilha, risadas, sexo, programas a dois, passeios, viagens, mais sexo, diálogo, cumplicidade, vontade constante de estarmos um com o outro, outra vez sexo, piqueniques, praias, cinemas, convívio com a família e amigos, mais sexo ainda, trabalho, planeamento, projectos e para terminar...vai mais um pouco de sexo antes de dormir. Passados estes 20 anos, satisfaz-me saber que, embora muita coisa tenha mudado na nossa vida em comum, o sexo conseguiu ainda assim sair ileso (uma salva de palmas para ele, clap clap clap). Mas nem tudo foram rosas. Ai que não foram mesmo. Também nós, à semelhança de qualquer outro casal, tivemos as nossas crises, as nossas brigas, as nossas pequenas/grandes discussões, mas também foi através delas que tivemos a possibilidade de fazer o nosso amor crescer e florescer no lugar da paixão. Cometi muitos erros e fiz muitas asneiras. Asneiras essas que poderiam ter estragado irremediavelmente o equilíbrio da nossa vida em comum, mas aquela mulher soube sempre perdoar-me tudo. Nunca lhe fui desleal, mas se não fosse alguns erros graves que cometi...hoje poderíamos estar numa situação muito mais segura , relaxante e desafogada em termos financeiros. Sim, aquela mulher aturou muita coisa de mim, e sofreu muito por minha causa. Não tenho vergonha de confessar que se hoje ao fim destes 20 anos conseguimos ainda estar juntos, é tudo graças a ela. É por ela ser uma grande mulher. Sempre foi e será a minha grande rainha. Devo-lhe tudo o que sou hoje, enquanto pai, marido e ser humano. E é por isso que nos próximos 20 anos que se avizinham, apenas alimento um desejo que se tornou quase uma missão: Retribuir-lhe com todo o meu ser, todo o carinho, amor, paixão, compreensão, tolerância, dedicação, paciência e atenção que ela tive todos estes anos para comigo.


2 comentários:

  1. É claro que é graças a ela. E bem merece as tuas palavras, ao que ela atura... :)

    Agora falando a sério, parabéns aos dois.

    O casamento é um caminho trilhado a dois. O caminhos tem sempre obstáculos. E não interessa saber quem foi contra os obstáculos. Se o outro deu a mão e ajudou a ultrapassar esses obstáculos, então é porque a relação vale a pena.

    E a tua vale a pena. :)

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Nina, sabes bem como me é importante ouvir isso de ti. Cometi muitos erros que ainda hoje lamento mas lá diz o ditongo popular de que aquilo que não nos mata torna-nos mais fortes, mas também é verdade que a nossa relação conseguiu sobreviver por ela ter sido capaz de perdoar as minhas falhas. Se eu valho a pena? Entregar-me-ei de alma e coração nesta relação para que isso possa ser verdade. Ontem pensava sobretudo em mim, e nas minhas necessidades, hoje só quero vê-la feliz. :)

      Eliminar

A frase mais estúpida que poderá ser dita aqui é: "Para Pensador pensas pouco..."
A mais inteligente é: "És tão lindo Pensador..."