14 julho, 2017

O rico que não era rico mas sim trabalhador...

RTP
Imagem da Net

A comunicação social em peso noticiou durante o dia de hoje que, na sequência de complicações de saúde que o afectavam há algum tempo, morreu ontem aquele que foi considerado pela revista Forbes como sendo o homem mais rico de Portugal. O empresário Américo Amorim, o homem de Mozelos mais conhecido como o "Rei da Cortiça" e dono de uma fortuna que ronda os 4,4 mil milhões de dólares (4,09 mil milhões de euros) em 2017, num património baseado na cortiça mas que se estende desde o imobiliário até ao sector da energia (Galp), bateu a caçuleta aos 82 anos e deixou o dinheiro todo para as suas 3 filhas. Era um homem que só sabia trabalhar, dizia-se, e é bem sabido como as pessoas conseguem chegar facilmente a multimilionários quando se dedicam exclusivamente ao trabalho. Já outros costumam dizer que quem não rouba nem herda nunca sai da mesma merda, mas esses, só podem ser invejosos mal dizentes que não sabem aceitar a magnificência de quem consegue enriquecer honestamente, pagando pontualmente os seus impostos e o valor justo pelo trabalho dos seus empregados, etc, coff coff coff porra mas de onde é que apareceu esta porcaria de tosse?
Morreu o homem mais rico de Portugal em termos de fortuna material e património, obviamente, porque a riqueza de um homem não se mede exclusivamente pelo tamanho da sua carteira ou da sua casa embora haja muita gente nesta amostra de país que gostaria que assim fosse. Ainda hoje para alguns continua a ser muito estranho aceitar a ideia de que um homem pode ser extremamente rico e pobre em simultâneo. E portanto é tão fácil de ver, só tem que avaliá-lo na perspectiva certa, analisando cada um dos seus aspectos. Mas também é verdade que se fossemos todos analisados dessa forma, nenhum de nós conseguiria safar-se. Seriamos considerados todos maus e medíocres. Morreu o homem mais rico de Portugal e isso deve querer dizer que a partir de hoje Portugal deixou de ter o seu "homem mais rico" e agora só tem ricos mais pobres do que ele.

2 comentários:

  1. Curioso...eu também sou trabalhadora e...não sou rica.

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E aposto que eras capaz de trabalhar o dobro daquilo que ele trabalhava, tanto em esforço como em número de horas, e nunca chegastes a ganhar num ano o centésimo daquilo que ele ganhava numa semana... :)

      Eliminar

A frase mais estúpida que poderá ser dita aqui é: "Para Pensador pensas pouco..."
A mais inteligente é: "És tão lindo Pensador..."