22/10/2017

A "bíblia" dos homens...

Resultado de imagem para tribunal relação do porto
Imagem da Net

Foi titulo da primeira página do JN de hoje e é uma noticia simplesmente inacreditável. Um Juiz do tribunal da Relação do Porto desculpou o comportamento de dois homens acusados de violência doméstica com base em passagens da bíblia católica (que foi escrita pelo homem como se sabe), algumas práticas seculares do médio oriente e alguns enxertos de uma legislação escrita pouco tempo após ter sido extinguida a presença da "Inquisição" em Portugal e que, como é óbvio, fruto da atrasada e execrável mentalidade daquelas épocas, condenam violentamente o adultério.


Muito resumidamente (quer se dizer, vou tentar pelo menos...) a história deste caso pode ser contada desta forma: Em 2014 uma mulher casada talvez farta da porcaria de vida que levava envolveu-se secretamente numa relação extraconjugal com um homem solteiro, o que eu condeno mas cada qual sabe da sua vida. Pouco tempo depois, quando as hormonas voltaram a estabilizar, ela quis acabar com a dita relação mas como o amante já estava habituado a ter sexo do melhor e de forma totalmente gratuita (muito diferente daquele que, se calhar, anteriormente era forçado a pagar), passou a perseguir a mulher por tudo quanto era sitio, seja fisicamente ou através de mensagens enviadas para o seu telemóvel. A sua intenção pareceu-me ser bastante clara, queria pressionar emocionalmente a referida mulher para que continuasse a satisfazer os seus intentos sexuais com base na chantagem, o que faz dele um crápula e constitui claramente um crime de assédio moral. Como ela não cedeu (quem cede às exigências de um porco?) o amante vingou-se contando tudo ao marido traído. Este, por sua vez, acabou por ficar separado da mulher e passou também a persegui-la através do envio de mensagens SMS com insultos e ameaças de morte, o que revela obviamente que a opção da separação partiu da vontade dela e não dele (traído e abandonado, que poderá haver de pior para ferir o orgulho de um homem?). Não satisfeito com tudo aquilo que tinha feito, o ex-amante continuou a perseguir e assediar a sua vitima e em 2015 acabou mesmo por sequestrá-la e transportá-la para um local perto do emprego do ex-marido. Aposto que seria um local bastante discreto e propício a práticas sexuais decididas em cima da hora, mas como a mulher mais uma vez não cedeu a chantagens (ah grande mulher!), agindo mais uma vez por vingança aquele chanfrado asqueroso acabou por telefonar ao ex-marido e convidou-o para um encontro a três, o que, mesmo não tendo sido premeditado, resultou no espancamento da citada mulher com uma moca feita com pregos cravados. Hediondo não é? Parece uma daquelas coisas macabras que se usava fazer nos tempos medievais, mas ainda assim isso foi muito pouco quando comparada à sentença proferida por aquela bosta de Juiz que viria a ser encarregue de julgar este caso. É que, pior do que as acções de gente atrasada, porca e delinquente só mesmo a subjectividade de um religioso juiz psicopata.

Obviamente que, oficialmente, estes dois homens foram condenados pelo tribunal no sentido de iludir o povo e vender perante a sociedade a imagem de que a justiça funcionou, mas na prática a condenação deles não equivaleu a nada. Um verdadeiro zero ao cubo. O marido apanhou ano e meio de prisão e 1750 Euros de multa e o amante teve direito a um ano de prisão e 3500 Euros de multa, mas como as penas ficaram ambas suspensas, na prática só vão cumprir cadeia efectiva se eventualmente não quiserem pagar as multas. E através desta sentença aflitivamente singular é-nos perfeitamente possível visualizar o objectivo primordial dos tribunais. Hoje em dia eles já só existem para criar e cobrar multas. Que se dane se houve algum crime, se mataram alguém ou se houve alguém que ficou com a sua vida devastada, o importante não é meter os criminosos na cadeia para que possam meditar sobre a gravidade dos seus actos porque isso acarreta que haja despesas da parte do estado para mantê-los dentro do gaiolão. O importante sim é gerar receitas para pagar o despesismo do estado, os luxos dos juízes, ministros e outros funcionários que pertencem ao quadro mais alto da justiça e os absurdos salários que ganham mensalmente fora os prémios que ninguém vê, e também os vários milhões que cada governo eleito pelo povo acaba sempre por roubar a cada legislatura tudo na mais honesta e profunda legalidade. Criar e cobrar multas, isso sim é importante e não pode falhar caso contrário a máquina pode emperrar. Tudo o resto são pormenores e não interessam a ninguém. Hoje vale tudo menos tirar olhos? Mas que interessa isso? O planeta está superlotado e não faz mal nenhum que se crie condições para que alguma gente possa morrer.

Agora mais a sério, isto será mesmo verdade? Foi nisto que o mundo se tornou? São estes os nossos guardiões da justiça, paladinos da verdade e baluartes do civismo? Num estado supostamente laico agora também já se tornou possível condenar e desculpabilizar pessoas aos olhos da justiça tomando como base algumas citações da bíblia e práticas seculares praticadas por algumas culturas mais bárbaras do que a nossa? Mas que brincadeira vem a ser esta afinal? É assim que os juízes querem ser respeitados? Será que este juiz também já foi corneado e agora não pode ver mais mulheres adulteras à frente dele? Ou será que passou a estar tudo doido neste país? Eu aposto na última...

4 comentários:

  1. Esta manhã quando abri o site do JN para ler as notícias foi a primeira notícia que li.

    Até ao momento não consegui aceder ao Acórdão porque nestas coisas da justiça gosto de ler tudo antes de opinar. De qualquer forma, justificar a violência com a Bíblia deixa-me perplexa.

    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então vê e diz-me qualquer coisa nina, é que eu não posso acreditar que a Justiça Portuguesa seja um vale tudo hoje em dia e que tenha caído tanto no fundo. Isto é mau demais. Não posso e não quero acreditar! :(

      Bjs

      Eliminar
  2. Francisco, depois de ler o Acórdão e enquanto jurista, apenas posso dizer que a fundamentação e as considerações aduzidas são inqualificáveis. E fico-me por aqui.

    Nota. Felizmente, este Acórdão não reflecte a Magistratura Portuguesa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode não reflectir mas recolheu o seu selo de aprovação. Mas isto agora tudo é permitido? Cada juiz pode dar azo à sua subjectividade e fazer aquilo que bem lhe apetece? Se um juiz é machista pode inocentar alguém que gosta de espancar mulheres na rua? Se gostar de pedofilia pode libertar um violador de crianças? Se ele for xenofobista pode libertar quem assassinar estrangeiros? Que porcaria de justiça vem a ser esta? Passamos de uma cultura Salazarista onde todos os abusos eram possíveis para uma cultura Democrata onde todos os abusos são permitidos?

      Pode-se espancar uma mulher porque a bíblia diz que ela pode ser condenada à morte e o espancamento acaba por ser uma pena suave face a isso? Mas este juiz fez a sua formação aonde? No estado islâmico?

      Eu não consigo acreditar nisto. Repito, isto é mau demais.

      Eliminar

A frase mais estúpida que poderá ser dita aqui é: "Para Pensador pensas pouco..."
A mais inteligente é: "És tão lindo Pensador..."